PONTE V

Ainda sobre a ponte, importante que vejamos a opinião do jornalista Josué Moura, publicada em sue blogue. Uma reflexão que merece ser feita por todos os imperatrizenses. Afinal, os sarneystas agora defendem a necessidade e a importância da ponte para Imperatriz e região. Como diria Samuka: "então a governadora deveria ter feito a ponte quando esteve no governo por duas vezes". Leia o artigo clicando no link abaixo.

6 Response to "PONTE V"

  1. Anônimo says:

    Professor,
    Pq não para de conversa mole e aceita de uma vez que Roseana deu um baile nesses idiotas que se dizem "oposição" aqui em Imperatriz. Ela não só deu uma "rasteira" no Jackson e seus comparsas, como tirou onda da galera que a odeia aqui em Imperatriz. O povo do Maderia engoliu calado a parceria estado-municipio pra asfaltamento de 15km de ruas. O Maderia se mostrou "centrado" quando aceitou o acordo. O Pessoal do PT deve tá rasgando o c* de odio. Pô, neguinho deu sangue pra ficar na mamata e agora se f****.
    Professor, por favor, nãome censure.
    JUnior

    O mundo gira, quem deu a rasteira hoje pode estar no chão amanhã. Sem censura, Júnior. Você tem cadeira cativa. Abraço.

    Certamente o Júnior está trocando a fala, talvez queira dizer do banho que ela levou da chuva que caiu por ocasião da frustrada inauguração. Achei ruim a chuva, pois eles vão querer ficar dizendo que só não deu povo porque choveu. Quanto a parceria estado prefeitura, Madeira e Roseana estão apenas fazendo o institucional, cumprindo suas obrigações como gestores, isso a gente não pode negar que é positivo, sem a imposição partidária de voto e tal. Mas de minha parte, como cidadão digo mais uma vez: a dívida da família sarney com a região é tão grande que tudo que fizerem vai parecer pouco, pequeno. Portanto isso não se trata de "baile" ou de grande jogada política. Não se engane, o povo está "safo", basta sair às ruas para ouvir a voz das ruas.
    Um abraço caro Júnior, vamos ao bom debate.

    PONTE, RODOVIÁRIA E ESTÁDIO: ALGUMAS OBSERVAÇÕES.

    Parte I:
    Quem acompanha e conhece a política do Maranhão, independentemente de ser partidário, se depara com determinados fatos de dá náusea. Fico, às vezes, observando o comportamento dessa quadrilha de politiqueiros e puxa-sacos liderados por José Sarney, confesso que me dá vontade de vomitar. É nojento ver essa “governadorazinha” de quatro votos e seus bajuladores enaltecerem a Ponte e sua importância; tanto para o crescimento como para a economia de nossa cidade. Valor não reconhecido antes.

    Em tempos não muito longínquos, essa tal governadora foi por várias vezes insultada pelo então governador do Tocantins, Siqueira Campos, a construírem essa tão sonhada obra em parceria. O final desta história todos sabemos.

    Tempos depois, já como governador e rompido com o clã Sarney, José Reinaldo Tavares decidiu construir sozinho - esta grandiosa obra e com recursos exclusivo do estado - já que o novo governador do Tocantins, Marcelo Miranda, não aceitou a parceria alegando que seu estado não tinha caixa disponível para tal.

    Pois bem, até José Reinaldo iniciar de fato a obra, em meados do ano de 2006, foi um verdadeiro calvário. Todo tipo de empecilho foi criado, inclusive na justiça, a mando e financiado pelo oligarca maior (Madre Superiora), José Sarney, para que esse evento não se concretizasse; com a desculpa de que era uma obra inviável e justificando que não era favorável porque Imperatriz tinha outras prioridades – prioridades essas jamais realizadas pelo clã em quase 50 anos de desmando. Roseana, em tom sarcástico e debochado, dizia que essa ponte ia ligar o nada a lugar nenhum.

    Os discursos mudam de acordo com a conveniência. Hoje ela e os subservientes, sanguessugas, oportunistas, vampiros, vassalos e puxa-sacos vão à televisão, jornais, rádios agradecerem a conclusão da ponte. Antes falavam com ‘convicção’ que a obra não seria concluída, era só jogada política. Ora, hoje a obra sendo inaugurada pela Governadora, dá até a impressão de que é um projeto de autoria seu, assim como a execução, além de quererem fazer o povo acreditar que ela está nos prestando um grande favor.

    Não obstante as suas mentiras, bastaria ter ido “in loco” antes do término dela (ponte), como eu fui, para constatar o pouco que faltava para a sua conclusão e, portanto, mal concluída por esse atual governo. O acesso, mudado do projeto original, o qual dependia somente da camada asfáltica e a conclusão da ponte sobre o riacho bacuri, ficou de péssimo gosto – uma ciclovia –, sem falar do perigo que representa para os usuários. Observem a diferença do acesso no lado tocantinense em qualidade, segurança e beleza. Na iluminação, foram gastos absurdo e cuja propaganda, característica dos seus governos, afirmava que os comandos eram feitos através de computador. Confesso que fiquei ansioso para conhecer, mas quando me deparei com a tão propalada iluminação, tal foi minha frustração. Tudo obra de ficção típica desta mesma quadrilha de pilantras e saqueadores dos cofres públicos de nosso sofrido estado.

    Parte II:
    Voltando um pouco mais no tempo, lembram-se da rodoviária iniciada nos poucos meses do governo de Ribamar Fiquene (leia-se: mesmo grupo), no ano de 1994 e ficando quase concluída ao final de seu mandato? Pois é, essa mesma governadora nos seus oito anos subseqüentes simplesmente ignorou a obra e, abandonada a sorte e ao mato, foi totalmente saqueada, isto é, roubaram-lhe as telhas, os ferros, etc., etc., etc... Depois de aproximadamente catorze anos o então governador Jackson Lago anunciou que ia mandar fazer um estudo técnico para ver se seria viável reconstruir a tão sonhada obra, já em estágio de tapera, aproveitando o local e o projeto antigo – obviamente com modificações e melhoramentos. Feito isto, foi então recomeçada, quando o então prefeito de Imperatriz e cria dos sarneis, Ildon Marques, a despeito de suas falácias, no afã de desqualificar a obra ou quem sabe desencorajá-lo de fazê-la, foi urgentemente à televisão dizer que a construção seria inviável, principalmente devido ao terreno ser muito úmido e, portanto não recomendaria. Provavelmente ele próprio não desconfia dos sintomas que o denunciam enfermo portador de irreversível doença psíquica, portanto, basta olhar no semblante desse senhor: um verdadeiro psicopata. É essa a contribuição e incentivo que dão esses pseudopolíticos que nada fazem, a não ser assaltar os cofres públicos e ainda tentam atrapalhar quem quer trabalhar. Ora, é como se a engenharia não tivesse meios nem tecnologia para preparar um terreno, independente do local, e construir qualquer edificação, como foi feito no caso: uma drenagem profunda. O que o referido prefeito sugeriu foi um projeto de maior envergadura, isto é, uma Rodoviária conjugada a uma Estação Ferroviária: uma Rodoferroviária. Imaginem! Nós não temos uma rodoviária e o imbecil vem sugerir uma Rodoferroviária. Talvez para os seus trens passarem, comprados com os assaltos feitos a prefeitura de Imperatriz nas suas gestões passadas. Coisa de político desqualificado de 5ª categoria. Chegou, portanto, o momento oportuno para o ex-prefeito sugerir de seus padrinhos políticos a tal Rodoferroviária.

    Parte III.
    Coisa parecida está acontecendo com o Estádio Frei Epifânio D’abadia. Os mesmos puxa-sacos – alguns hoje secretários -, depois da posse da (des)governadora, andaram falando que o projeto de reforma do Estádio estava incompleto; que não existia projeto para as arquibancadas ou estava incompleto, assim como para o gramado e outras besteiras mais. Com certeza, para justificar o aditivo que corresponde simplesmente o dobro do que foi licitado. Eu, sinceramente, nunca vi nada igual. Essa turma de idiotas, já acostumados a subestimar a capacidade de raciocínio das pessoas do nível, ou melhor, do baixo nível como os seus, sugerem com suas mentiras que nós acreditemos que o governador Jackson Lago entregaria só o esqueleto do Estádio para a população de Imperatriz, ou seja, sem arquibancada ou incompleta, sem gramado, etc., etc., etc... Uma verdadeira afronta a inteligência da população. Esse bando de imbecis, sanguessugas e babões desta oligarquia não merece o mínimo de respeito e credibilidade de nossa gente. Caso não fossem especialistas em puxar sacos não sobreviveriam. Uns morreriam de fome, outros politicamente. Basta olhar quem são os secretários e puxa-sacos deste governo em nossa região.

    De acordo com tudo que foi dito, ficam algumas perguntas: se dependesse da oligarquia Sarney, quando a cidade de Imperatriz teria uma ‘Ponte’ interligando o nosso estado ao Tocantins? Quando teríamos uma ‘Rodoviária’ do porte desta que está sendo terminada? Quando fariam um ‘Estádio’ com tamanha grandeza?

    No mais, enquanto houver pessoas desinformadas, subservientes, alienadas politicamente; pessoas que tratam política como credo e com fanatismo; pessoas que se envolvem emocionalmente com os políticos e candidatos; pessoas pobres ou mortas de espírito que, para sobreviverem, se submetem a um humilhante e degradante papel de puxa-saco ou coisas do gênero; pessoas que ao invés da criação prefere a destruição, a mediocridade confortável ao invés do trabalho digno que é mais produtivo, repito: enquanto pessoas desta natureza existirem, não veremos nossa cidade e nosso estado se desenvolverem sob todos os aspectos.

    Portanto, este governo atual é, sem dúvida, um caso de saúde pública; mais especificamente de competência da vigilância sanitária. FEDE!

    Em tempo: Só pra exemplificar o que relatei anteriormente, o babaca do Willian Marinho postou em seu blog afirmando que a ponte precisou de correção no projeto, inclusive na parte estrutural, pois como estava não poderia passar nem um jumento sem cargas. É ou não subestimar a inteligência das pessoas?

    Manuel L. Parreão Filho. (Dez/2009) - Imperatriz/Ma.

Tecnologia do Blogger | WordPress by Newwpthemes | Converted by BloggerTheme